Águas fósseis são menos imunes à poluição do que se imaginava

Novo estudo sugere que até as águas fósseis que compõem parte do volume dos lençóis freáticos podem ser contaminadas pela ação humana

SÃO PAULO – Um estudo publicado pela revista Nature Geoscience indica que até as chamadas águas fósseis podem ser contaminadas pela ação humana. Como as águas fósseis são volumes armazenados há milhares de anos nas profundezas da crosta terrestre, se supunha que elas estavam protegidas das impurezas da civilização. “[Em última instância], contaminantes contemporâneos podem vir a chegar até às águas fósseis”, diz o documento apresentado pelos pesquisadores. “E os riscos para a qualidade da água nessas condições devem ser avaliados”.

A contaminação das águas fósseis pode ter consequências diretas na qualidade da água consumida por seres humanos. Atualmente, estima-se que exista 100 vezes mais água doce armazenada em lençóis freáticos – abastecidos, em parte, por águas fósseis – pelo mundo do que na superfície terrestre na forma de rios, lagos e outros corpos de água. E cerca de um terço de toda a água consumida por seres humanos vem direta ou indiretamente de fontes que contêm alguma proporção de água minada de lençóis freáticos. Fecha-se o ciclo: a poluição humana das águas fósseis volta, pelos lençóis freáticos, para contaminar o recurso consumido pelos mesmos seres humanos que a poluíram.

Leia mais
Afinal, o que é manancial?
Aquífero californiano guarda volume de água equivalente a 2,3 mil Sistemas Cantareira
Qual a relação entre árvore e água?

Para chegar às conclusões apontadas pelo estudo, os cientistas envolvidos na empreitada reuniram e analisaram amostras de água de 6.455 poços artesianos espalhados pelo mundo operando em profundidades que variavam entre 250 metros e um quilômetro. Eles então buscaram, nessas águas coletadas, concentrações mais altas que a média de trítio, um isótopo do hidrogênio. Sabe-se que explosões nucleares são alguns dos poucos fenômenos capazes de criar esse desequilíbrio e essa concentração mais alta foi o marcador usado pelos cientistas para identificar que houve, por meio da recarga dos lençóis freáticos, contaminação das águas fósseis, antes tidas como imune a esses processos.

Share on Facebook1Tweet about this on TwitterShare on Google+0Pin on Pinterest0

Comece a conversa